Quinta-feira, 02 de abril de 2020
  • WhatsApp
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • E-mail
Buscar
Fechar [x]
MUNDO
14/11/2019 08h11

No México, onde está asilado, Evo Morales diz que está disposto a voltar à Bolívia após sua renúncia

O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, disse nesta quarta-feira que voltaria para "pacificar" seu país se os bolivianos pedissem. A declaração foi dada no México, onde ele está asilado após semanas de protestos violentos que levaram a sua renúncia.

Morales deu nesta quarta sua primeira coletiva de imprensa do exílio, onde chegou na terça-feira em um avião militar mexicano. Ele reiterou que sua demissão visou a conter a onda de violência que atingiu o seu país desde as acusações de fraude na eleição presidencial de 20 de outubro.

"Se meu povo pedir, estamos dispostos a voltar para apaziguar, mas é importante o diálogo nacional", disse Morales, acrescentando: "vamos voltar cedo ou tarde. Quanto antes melhor para pacificar a Bolívia”, disse Morales. Ele reiterou seu chamado a um diálogo nacional no qual poderiam participar "países amigos" em uma espécie de mediação entre as forças políticas. "É importante o diálogo nacional. Sem diálogo nacional, estou vendo que vai ser difícil deter este confronto", acrescentou.

Algumas horas mais tarde, Morales fez um apelo a países europeus, à Organização das Nações Unidas (ONU) e à Igreja Católica, por meio do Papa Francisco, a acompanhar "o diálogo para pacificar nossa querida Bolívia". Antes, ele fez um apelo à Polícia e às Forças Armadas, que o pressionaram para que apresentasse sua renúncia, a não "usar tiros contra o povo".

Até quarta-feira, a Bolívia registrava 10 mortos nos protestos após as eleições polêmicas em que Morales foi eleito para um quarto mandato, pleito que foi tachado de fraudulento pela oposição e que uma missão da OEA qualificou como repleto de "irregularidades".

Morales também condenou no Twitter a "decisão de [Donald] Trump de reconhecer o governo de fato e autoproclamado pela direita" liderado pela presidente interina, Jeanine Áñez.

Ele se antecipou a um comunicado do Departamento de Estado americano que reconheceu Áñez como presidente interina e afirma que Washington espera trabalhar com a Bolívia e sua população "enquanto preparam eleições livres e justas o mais rápido possível

"O golpe de Estado que provoca mortes dos irmãos bolivianos é uma conspiração política e econômica que vem dos EUA", afirmou Morales. Para Morales, a proclamação de Añez como presidente interina é a confirmação do "golpe" contra ele e que foi um ato fora da legalidade, pois não foi celebrada a sessão em que o Legislativo aceita sua renúncia, como prevê a Constituição.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Fonte: G1
Agora Sul
  • WhatsApp
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • E-mail
Sulagora.com. Tudo o que acontece no Sul. Agora. © 2019. Todos os direitos reservados.
Demand Tecnologia