Quinta-feira, 20 de junho de 2024
  • WhatsApp
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Contato
Buscar
Fechar [x]
GERAL
14/01/2021 09h50

Reunião em Brasília estabelece prazo para solucionar a questão da Engie

Ministro de Minas e Energia se comprometeu em 180 dias apresentar uma solução para o impasse

Diversas autoridades políticas e empresariais participaram, nesta quarta-feira (13), de uma reunião em Brasília para discutir estratégias para manter em funcionamento o Complexo Termelétrico Jorge Lacerda, de Capivari de Baixo. O prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli, participou da reunião e o prefeito de Capivari, Vicente Corrêa Costa, participou de forma remota. 


No encontro, liderado pelo governador do Estado, Carlos Moisés, e com a participação de senadores e deputados federais, os impactos do desligamento da usina foram apresentados e o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, se comprometeu em, no prazo de 180 dias, apresentar uma solução para o impasse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A desativação programada do complexo de Capivari de Baixo foi anunciada no fim do ano passado pela direção da Engie, controladora da usina. A notícia deixou prefeitos e empresários apreensivos, já que a usina representa quase 20% do Produto Interno Bruto (PIB) do Sul do Estado e é responsável por milhares de empregos diretos e indiretos. 


Ainda em 2020, várias lideranças se reuniram, primeiro em Criciúma e depois em Tubarão, para discutir o tema e encontrar uma solução para o caso. Na reunião desta quarta-feira em Brasília, o grupo foi recebido pelo ministro.


"Hoje, o Ministério de Minas e Energia teve a ideia da dimensão do problema que seria o fechamento do complexo energético e ficamos muito satisfeitos porque o ministro Bento Albuquerque participou dessa reunião e reiterou o compromisso de apresentar em até 180 dias uma solução. Como as primeiras desativações seriam em dezembro de 2021 e o prazo do grupo de trabalho é para junho, então temos seis meses de prazo para implementação dessa solução”, destacou Joares. 


“Estou muito confiante. Sabemos que a saída da usina, além do grande impacto fiscal, também resultará em milhares de empregos diretos e indiretos perdidos. Estamos trabalhando muito e em parceria com os prefeitos das cidades envolvidas e o governo estadual para que juntos, com o ministério, possamos apresentar uma solução positiva”, declarou Vicente. 

  • 1 / 2
  • 2 / 2
Redação - Foto: PMT
Agora Sul
  • WhatsApp
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Contato
Sulagora.com. Tudo o que acontece no Sul. Agora. © 2019. Todos os direitos reservados.
Política de Privacidade

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.