Sexta-feira, 21 de junho de 2024
  • WhatsApp
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Contato
Buscar
Fechar [x]
GERAL
26/05/2024 11h05

Parque em cidade de SC alaga de propósito para evitar estragos em enchentes

O espaço se inspirou em áreas de Nova Iorque e Holanda: o Parque Linear Via Verde, em Jaraguá do Sul

Uma cidade de Santa Catarina possui um modelo recomendado pelo Ministério Público, que possui um grupo de trabalho para diagnosticar, mapear e regulamentar o uso das áreas sujeitas a inundações. O espaço se inspirou em áreas de Nova Iorque e Holanda: o Parque Linear Via Verde, em Jaraguá do Sul.


Espaço de lazer em dias comuns, a área inunda propositalmente em dias de muita chuva. Com amplo espaço verde, ele disponibiliza atrações como ciclovia, praça infantil, academia, pista de skate, quadras para esporte, de concreto e areia, e ainda é possível contemplar, dele, o pôr do sol.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo o promotor de justiça da Defesa do Meio Ambiente de Jaraguá do Sul, Alexandre Schmitt dos Santos, a estrutura foi pensada para suportar as cheias. "Todos os equipamentos implantados aqui são de metal, plástico ou concreto, de modo que, a partir do momento em que o rio baixa, eles podem ser higienizados e se volta a utilizá-los normalmente, sem maiores prejuízos", afirma.


O mecanismo evita que ruas e casas sejam atingidas pela cheia do rio Itapocu, que corta o município, através de uma área de escape da água da enchente, feita a partir da escavação de uma região de pastagem.


Efeitos


Conforme o município, o último trecho da obra foi entregue em 2023, mas a parte alagável, onde o rio espraia, está em funcionamento desde 2019. A prefeitura afirma que a cidade não registra ocorrências graves relacionadas às chuvas desde então.


O chefe de gabinete de Jaraguá do Sul, João Berti, comentou que, só em 2022 e 2023, o município passou por quatro situações que colocaram o funcionamento do parque à prova.


"Os efeitos são sentidos por toda a cidade. O centro da cidade alagava com muita frequência, e não alagou nessas últimas quatro enchentes que tivemos", informou.


A condição do rio, de acordo com o secretário de Obras e Serviços Públicos de Jaraguá do Sul, Otoniel da Silva, é monitorada pelos técnicos da pasta durante os períodos de chuva.


"Quando ele chega à determinada cota, a gente já começa a avisar o setor de trânsito para fazer a interdição da via, e a seguir a gente espera o evento acontecer (o alagamento). Assim que as águas baixam, a gente já mobiliza toda a nossa equipe para fazer a limpeza e entregar o mais rápido possível para os munícipes utilizarem", explica.


Conceito


Professor do departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Santa Catarina, José Ripper Kós destaca que os rios naturalmente possuem áreas de inundação que ocorrem nas cheias.


"Nosso problema é que, com a urbanização, começamos a construir nessas regiões. Os egípcios, por exemplo, usavam essas áreas para plantações justamente porque eram regiões mais férteis devido às cheias do Rio Nilo", explica.


Os parques alagáveis, segundo o professor, especialista em alagamentos nas vias públicas e rios canalizados, são feitos em regiões mais baixas que a área urbanizada para aumentar a sessão alagável do rio e reduzir as chances de a água atingir o nível da área urbanizada.


O que mostram os dados


Dados disponibilizados pela Defesa Civil do município mostram que a área tem ajudado a minimizar os estragos causados por tempestades.


Em 2022, já com o mecanismo em funcionamento, Jaraguá do Sul terminou o ano com 339,3 milímetros de chuva acima do esperado. Apesar disso, o município registrou pouco mais de 20 ocorrências, entre quedas de árvores, deslizamentos e outras sem gravidade. Ninguém precisou sair de casa.


Antes da estrutura ficar pronta, os números eram outros, de acordo com a prefeitura:


- Em 2008, por exemplo, os meses de outubro e novembro registraram, respectivamente, 327,9 e 318,3 milímetros. Na ocasião, foram 1,5 mil pessoas desalojadas, 15 famílias desabrigadas, 7 mil casas atingidas, 15 casas destruídas e 13 mortes.


- Em junho de 2014, o município registrou 280,6 milímetros. Foram 130 pontos de alagamento, e 90 pessoas tiveram de se abrigar em abrigo do município e outras centenas em casas de parentes ou de conhecidos. O município ficou sem fornecimento de água potável por horas. Mais de 50 deslizamentos foram registrados.


- De 6 a 8 de junho de 2011, o município registrou 376 milímetros. 70 mil pessoas foram atingidas pelas cheias (50% do município), 90 pessoas ficaram desabrigadas e centenas desalojadas. Foi atingida 70% da área urbana da cidade.


Inspiração ancestral na China


Em 2012, uma enchente causou a morte de quase 80 pessoas em Pequim, muitas delas afogadas ou eletrocutadas. Casas desabaram e estradas, metrô e até o aeroporto ficaram sob as águas.


No entanto, fotos de turistas tiradas na época mostraram a Cidade Proibida, construída centenas de anos atrás, completamente seca – graças a seu antigo sistema de drenagem.


A tragédia chamou a atenção das autoridades. A China, que viveu intenso processo de urbanização nos últimos anos, passou a ser um dos países a abraçar com mais força novas formas de garantir a drenagem da água. Em Taizhou e Jinhua, por exemplo, muros de concreto que canalizavam rios foram demolidos e substituídos por parques.


Receba outras notícias pelo WhatsApp. Clique aqui e entre no grupo do Sul Agora.

Imagens: Prefeitura de Jaraguá do Sul, com informações do G1SC
Agora Sul
  • WhatsApp
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Contato
Sulagora.com. Tudo o que acontece no Sul. Agora. © 2019. Todos os direitos reservados.
Política de Privacidade

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.