Sexta-feira, 21 de junho de 2024
  • WhatsApp
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Contato
Buscar
Fechar [x]
SAÚDE
24/05/2024 07h23

Região tem primeiro caso de febre do Oropouche

O paciente é um homem de 52 anos, residente no município de São Martinho

A Regional de Saúde de Tubarão confirmou nesta semana o primeiro caso de febre do Oropouche na região.

O paciente é um homem de 52 anos, residente no município de São Martinho.

Segundo o órgão, o paciente esteve em viagem recente para os municípios de Joinville e Jaraguá do Sul, onde mencionou ser muito picado por insetos chamados de maruim.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao chegar em São Martinho, começou a apresentar dor de cabeça, sudorese, febre e calafrios.

"“Ele foi testado para outras arboviroses, como dengue, zika e chikungunya, apresentando resultados negativos. No entanto, no teste de biologia molecular (PCR) foi possível detectar o vírus da família Peribunyaviridae, causador da doença conhecida como febre do Oropouche. O paciente foi tratado adequadamente para a doença e já se recuperou completamente”, explicou a bióloga Sabrina Fernandes Cardoso em entrevista ao jornal Diário do Sul.

Transmissão


A transmissão da febre do Oropouche é feita principalmente por mosquitos, entre eles o maruim. Depois de picar uma pessoa ou animal infectado, o vírus permanece no sangue do mosquito por alguns dias. Quando esse mosquito pica outra pessoa saudável, pode transmitir o vírus para ela.

Os sintomas são parecidos com os da dengue e da chikungunya: dor de cabeça, dor muscular, dor nas articulações, náusea e diarreia. "Neste sentido, é importante que profissionais da área de vigilância em saúde sejam capazes de diferenciar essas doenças por meio de aspectos clínicos, epidemiológicos e laboratoriais e orientar as ações de prevenção e controle", informa o Governo Federal.


Recomendações

Evitar áreas onde há muitos mosquitos, se possível.

Usar roupas que cubram a maior parte do corpo e aplique repelente nas áreas expostas da pele.

Manter a casa limpa, removendo possíveis criadouros de mosquitos, como água parada e folhas acumuladas e frutos que caem no solo.

Se houver casos confirmados na sua região, siga as orientações das autoridades de saúde local para reduzir o risco de transmissão, como medidas específicas de controle de mosquitos.


Receba outras notícias pelo WhatsApp. Clique aqui e entre no grupo do Sul Agora.

Agora Sul
  • WhatsApp
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Contato
Sulagora.com. Tudo o que acontece no Sul. Agora. © 2019. Todos os direitos reservados.
Política de Privacidade

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.