Quinta-feira, 15 de abril de 2021
  • WhatsApp
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • E-mail
Buscar
Fechar [x]
GERAL
25/02/2021 18h57

Engie assina acordo de exclusividade para venda do Complexo Termelétrico Jorge Lacerda

Desde 2017, a companhia busca alternativas para os ativos de geração a carvão no Brasil

A Engie Brasil Energia (EGIE3) assinou com a FRAM Capital nesta quinta-feira (25) um acordo de exclusividade pelo período de 120 dias para a venda do Complexo Termelétrico Jorge Lacerda, em Capivari de Baixo, cuja capacidade instalada é de 857 MW por ano.


Desde 2017, a companhia busca alternativas para os ativos de geração a carvão no Brasil. Foram analisadas algumas propostas durante esse período, mas não se chegou a um ponto de equilíbrio na negociação entre a alocação de riscos e as condições de venda. 


A empresa, então, decidiu aprofundar as discussões relacionadas ao futuro do CTJL em conjunto com grupos de trabalho multisetoriais com a participação de diferentes esferas do governo, associações de classe e representantes da sociedade civil. Atualmente, estão em detalhamento as alternativas de venda e descomissionamento faseado do ativo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“A potencial venda do Complexo Termelétrico Jorge Lacerda está em linha com a estratégia de descarbonização da Engie em todo o mundo. A companhia está centrada em seu propósito de acelerar a transição para uma economia neutra em carbono, direcionando as suas atividades para geração de energia renovável, gás natural e infraestrutura”, declarou Eduardo Sattamini, diretor-presidente da companhia.


“Trata-se de um ativo com operação superavitária, que tem plenas condições de ser estendida pelo potencial adquirente, se as alocações de riscos forem devidamente equilibradas” destacou Sattamini. A evolução da negociação em curso é esperada para ocorrer ainda no primeiro semestre deste ano.


“Entendemos que a venda possibilitará que a cadeia do carvão tenha tempo suficiente para se transformar, mitigando impactos na economia do Sul do Estado por ocasião de um processo de descontinuidade das operações em 2025”, explicou. 


Na hipótese de não concretização de uma operação de venda nos próximos meses, o planejamento do descomissionamento faseado do ativo – que continua em execução – deverá ser implementado.


Os termos e condições finais da transação, caso as negociações sejam bem sucedidas, estarão ainda sujeitos à aprovação da administração e acionistas da Engie Brasil Energia, bem como à aprovação das autoridades governamentais competentes.

Fonte: Redação - Foto: Divulgação
Agora Sul
  • WhatsApp
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • E-mail
Sulagora.com. Tudo o que acontece no Sul. Agora. © 2019. Todos os direitos reservados.
Demand Tecnologia