Segunda-feira, 19 de outubro de 2020
  • WhatsApp
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • E-mail
Buscar
Fechar [x]

BLOGS E COLUNAS

Queiroz é para os fracos

14/10/2020 19h13

Ainda quer saber por que o Queiroz depositou R$ 89 mil na conta de Michelle? Coisa antiga, esqueça. Antiga e micha. Agora, o governo usa o nome de Michelle para pedir doações dos portos de Santos e do Rio de Janeiro, ambos controlados pelo próprio governo, ao Pátria Voluntária, programa beneficente coordenado pela esposa do chefe de governo, a própria Michelle. O pedido à autoridade portuária de Santos, Santos Port Authority, pode render R$ 200 mil, e está sendo avaliado. A Cia. Docas do Rio também está analisando o pedido, mas não informou valores.


O objetivo do programa Pátria Voluntária é incentivar o voluntariado e as iniciativas beneficentes da sociedade. Dinheiro estatal não lhe falta: há pouco, uma doação de R$ 7,5 milhões do frigorífico Marfrig para a compra de cem mil testes rápidos para a covid foi repassada pelo governo para o programa de financiamento do Pátria Solidária, o Arrecadação Solidária (depois de consulta à Marfrig, que concordou: afinal, são todos solidários). Parte dos recursos arrecadados pelo Arrecadação Solidária foi encaminhada a ONGs missionárias evangélicas indicadas pelo Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, dirigido pela ministra Damares Alves. O TCU, o Ministério Público e a oposição querem investigar esse repasse, a forma de escolha das ONGs que o receberam e as atividades que realizam com os recursos. Definitivamente, não são tão solidários assim.



O nome das coisas


A antiga Cia. Docas, depois Codesp, é hoje Santos Port Authority. Terá sido privatizada e vendida a estrangeiros? Não: só trocou de nome, já no governo Bolsonaro. Afinal de contas, Brazil acima de tudo!



STF, todos com razão


O mais curioso na disputa entre o ministro Marco Aurélio, que libertou o acusado André do Rap, apontado como expoente do PCC, Primeiro Comando da Capital, e o ministro Luiz Fux, presidente do Supremo, que anulou a ordem de libertação e mandou capturar e prender André do Rap, é que os dois têm razão e nenhum dos dois tem razão. Diz a lei, recentemente aprovada, que os juízes têm de renovar a ordem de prisão preventiva a cada 90 dias. Correto: evita-se o que ocorreu muito durante a Operação Lava Jato, as prisões preventivas que só eram suspensas em condições específicas. O empresário Marcelo Odebrecht, por exemplo, ficou preso mais de um ano, sem sentença condenatória, e só teve a situação definida depois que fez sua delação premiada. Milagre: não muito tempo depois, estava preso em sua magnífica mansão, sem os aborrecimentos da vida na cadeia. Pois bem: o ministro Marco Aurélio cumpriu a lei. O acusado foi libertado e não cumpriu nenhuma das ordens que recebeu: sabia o que teria de enfrentar e fugiu tão logo teve a oportunidade. O ministro Luiz Fux, para evitar que um acusado tão perigoso ficasse em liberdade, cumpriu seu dever: anulou a ordem de libertação. Demorou um pouquinho, e não foi possível capturar o cavalheiro.



STF, todos sem razão


Naturalmente, nenhum dos dois tem razão. Se a lei existe, é para ser cumprida. E por que o juiz que determinou a prisão preventiva não renovou a ordem após 90 dias? A história de que o Judiciário está sobrecarregado não é aceitável. Basta ter controle das datas e mandar um estagiário redigir o ato. Marco Aurélio poderia ter pedido a um dos auxiliares que tem no STF para telefonar ao juiz e cobrar providências. Quanto a Fux, será que só soube da iniciativa de Marco Aurélio um dia depois que até este colunista leigo já a conhecia pelo jornal? Terão as vaidades superado aquilo que os ministros sabem que poderiam fazer? Data maxima venia, assim não é possível.



Cortando o dos outros


Sabe aquele grupo de ministros e assessores que vive reclamando da vida, porque não consegue cortar salários, aposentadorias, direitos adquiridos? Pois não se preocupe: parece que o grupo vive muito bem, obrigado. Talvez os salários não sejam tão bons quanto os pagos pela iniciativa privada, mas andam ganhando mais que o teto constitucional (muda-se o nome do penduricalho, mas é dinheiro a mais que entra). No Ministério da Economia, os jetons (pagamentos para comparecer a reuniões) podem chegar a mais de R$ 14 mil por mês. Soma-se a isso um salário bem razoável, próximo dos R$ 30 mil. E os penduricalhos, claro: auxílio-moradia, auxílio-alimentação, passagens. Lá, só o ministro Paulo Guedes não embolsa extras. 



A arte de volta


Com a redução de casos da Covid, o belíssimo Museu de Arte Sacra de São Paulo reabre depois de amanhã, sexta-feira, às 10h da manhã, com uma excepcional exposição de fotografia, Nós, da Etiópia – crônicas de uma viagem, do ótimo Daniel Taveira. De acordo com o diretor do Museu, José Marçal, não dá para perder. Ingressos em www.museuartesacra.org.br. Vale a pena.

CARLOS BRICKMANN
Chumbo Gordo
Carlos Brickmann - carlos@brickmann.com.br - é Escritor, Jornalista e Consultor, diretor da Brickmann & Associados Comunicação - www.brickmann.com.br. Siga: @CarlosBrickmann.
CARREGAR MAIS
Agora Sul
  • WhatsApp
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • E-mail
Sulagora.com. Tudo o que acontece no Sul. Agora. © 2019. Todos os direitos reservados.
Demand Tecnologia